Supremo Zamasu, Vegeta paternal, a transformação de Trunks e mais!

O episódio 65 de Dragon Ball Super foi fenomenal, muito tão ou mais incrível do que outros que já tinham apresentado tal nível, porém, acabou sendo ofuscado pela aparição do Vegetto na prévia do episódio 66. Por isso, procurarei falar aqui sobre coisas vistas no episódio, como o Supremo Zamasu e seus golpes, e coisas que, apesar de aparecerem nele, não surgiram no mesmo, mas eu acabei não falando abordando, como é o caso da transformação do Trunks e do lado paternal do Príncipe dos Sayajins.

Sobreviventes

O episódio 65

Basicamente, o episódio traz o resultado da fusão entre o Zamasu imortal e o Zamasu que trocou o seu corpo pelo do Goku (o qual chamarei de Supremo Zamasu, pois Gattai Zamasu nada mais é do que “Fusão Zamasu”) e várias demonstrações do poder dele.

Goku e Vegeta tentam enfrentá-lo, mas não obtém sucesso  e Trunks junta-se a eles, enfurecendo-se ao ver o seu pai ferido e partindo para cima do Supremo Zamasu, também sem sucesso, apesar de conseguir parar alguns golpes. Então, o filho de Vegeta faz uma disputa de energias com o adversário e o Príncipe dos Sayajins acaba por se juntar ao seu herdeiro, a união de forças dos dois sendo suficiente para rebater o “Cólera Sagrada” (eu acho que “Ira Sagrada” ficaria muito melhor, mas enfim).

Espada sendo quebrada

O momento em que a espada é quebrada.

Porém, o Supremo Zamasu resolve eliminar logo o Trunks, lançando contra ele o “Raio da Absolvição”, ao que Vegeta se joga na frente e tem a armadura e roupas parcialmente destruídas. Após isso, o Supremo Zamasu volta-se contra Goku, lançando novamente o seu “Cólera Sagrada” e mais uma vez acontecendo uma disputa de energia.

Em meio a tudo isso, houve também uma cena com os humanos sobreviventes, contando com uma pitada de humor e um destaque dado ao Yajirobe, principalmente quando ele fica encarregado de conduzir todo mundo para a garagem da Bulma. Aqui cabe dizer que um momento atrelado a ela recebeu um foco bastante suspeito: Quando a menininha refugiada que vivia aparecendo junto do seu irmão se desgarra do grupo para ir em direção à espada do Trunks que havia sido rebatida pelo Supremo Zamasu e ficou encravada no chão.

Outra cena que vale à pena destacar é aquela em que, enquanto o Supremo Zamasu abala o mundo, provocando-lhe catástrofes “naturais”, são mostrados dois icônicos personagem da franquia: A Tartaruga do Mestre Kame ou Tartaruga do Mar (Umigame) e o androide nº 08, mais conhecido como Oitinho, o qual foi construído pelo Dr. Gero para a Red Ribbon, mas era muito bonzinho e ficou amigo do Goku.

O Supremo Zamasu

Como dito anteriormente, o episódio 65 mostrou várias demonstrações de poder do Supremo Zamasu e , dentre elas, pode-se mencionar: Os golpes “Lâminas do Juízo Final”, “Raio da Absolvição” (desferido em cheio contra Vegeta e Goku) e “Cólera Sagrada”;  a criação de um halo1 duplo nas suas costas; a conjuração de uma criatura alada feita do seu próprio ki e que contém uma espécie de núcleo com várias orbes, atuando como uma extensão do próprio Supremo Zamasu; a capacidade de abalar significativamente o planeta inteiro, provocando-lhe catástrofes; e a sua “intocabilidade”, já que ninguém conseguiu desferir um golpe nele e, no único momento em que Vegeta e Goku chegaram perto disso, tiveram seus golpes aparados e os braços quase quebrados com um simples apertar de mão.

Porém, nem só de demonstrações de poder vive o Supremo Zamasu e outras coisas bem legais para se dizer a respeito dele, como as referências religiosas. A primeira talvez seja o fato de ele demonstrar um certo culto a si mesmo, algo bem narcísico, mas que também pode ser visto como semelhante ao satanismo de LaVey, o qual prega uma espécie de culto ao indivíduo, a si mesmo.

A segunda referência religiosa é a pose na qual o Supremo Zamasu  permanece quase o tempo todo, uma pose cruciforme. E a cruz é simbólica não apenas para o cristianismo, mas também em diversas outras religiões, tanto as antigas politeístas – como é o caso da asteca, da escandinava e da egípcia – quanto no hinduísmo e no budismo. Aliás, quanto a essas duas, a suástica, que é uma espécie de cruz, tem simbolismo importante e, salvo engano, relacionado à luz – e o tinhoso verde passou o episódio 65 falando em luz divina.

Entretanto, eu diria que a pose cruciforme dele é muito mais referente à chamada cruz ansata ou ankh da antiga religião egípcia, que posteriormente foi adotado como símbolo cristão pela Igreja Cóptica Egípcia. Tal cruz é também descrita como “cruz com um laço” e é o símbolo da vida imortal – algo que tem tudo a ver com o Supremo Zamasu.

Supremo Zamasu Ankh

A terceira referência, ainda relacionada à cruz, tem a ver com o halo (ou auréola) nas costas do tinhoso verde. Além do fato de poder ser tomado como os halos (geralmente amarelos) muito vistos em pinturas de santos e na tradição espiritual budista, ele tem uma forma que se assemelha e muito a uma cruz celta ou mesmo a um círculo intersectado por uma cruz perpendicular.

Auréolas

Aliás, a auréola do Supremo Zamasu é composta por um círculo e por um círculo intersectado por uma cruz. O primeiro é o externo e é símbolo do Sol ou da Lua, mas também dos olhos ou boca. O segundo é o interno e é símbolo do óleo ou da graxa na alquimia, ambos elementos de cor preta, e que significa “para ser repetido” na anotação musical. Assim, ela muito provavelmente é uma representação da junção dos poderes do Zamasu imortal (círculo) com os do Goku de preto (círculo intersectado por uma cruz) e também uma referência ao fato de o ser fundido em questão ser o resultado da soma de dois seres repetidos, de dois Zamasu.

Grande Sacerdote

Notem que o Grande Sacerdote, aquele que está muito acima dos deuses da destruição e dos “deuses da observação”, bem como dos anjos, também tem uma auréola atrás (e não acima) da cabeça, de modo que tais auréolas seriam um indicativo de que o ser é uma divindade muito superior, beirando o poder de Zeno-Sama.

Finalmente, as outras referências religiosas estão todas contidas nos golpes usados pelo Supremo Zamasu: As “Lâminas do Juízo Final” são uma óbvia referência ao juízo final pregado pelo cristianismo e pelo islamismo, por exemplo; A “Cólera Sagrada” pode ser tomada como referência ao muito bem conhecido termo “ira divina”; O “Raio da Absolvição”, por sua vez, pode ser tomado como referência ao deus greco-romano Zeus/Júpiter e à sua arma, o raio, empregado para fazer justiça… Outra referência à Zeus/Júpiter é o ser alado projetado pelo ki do Supremo Zamasu, pois ele não deixa de ser semelhante a uma águia, ave consagrada a tal deus da justiça.

Vegeta e seu lado paterno

Uma coisa que tem sido muito discutida é o fato de o Vegeta demonstrar ser um melhor pai do que o Goku e Dragon Ball Super tem deixado cada vez mais evidente toda uma preocupação e um comportamento paternal por parte do Príncipe dos Sayajins.

Acontece que tudo isso tem uma explicação bem coerente dentro da franquia e que se relaciona com o fato de Goku jamais ter beijado a Chichi de língua: Akira Toriyama idealizou os sayajins como uma raça condicionada para a guerra desde a mais tenra idade, eles sendo frios demais e românticos de menos, sequer ligando para laços consanguíneos ou alguma noção de família, a exceção a isso sendo a família real, isto é, a família da qual Vegeta é procedente.

Isso tem ficado muito, muito mais presente em Dragon Ball Super e o episódio 65 trouxe um excelente momento entre pai e filho nas figuras de Vegeta e Trunks, momento esse que consiste de três partes. Primeiro, temos o Trunks seguindo as ordens de Vegeta para fazer a evacuação de Bulma e Mai. Claro, esse tipo de coisa não aconteceu somente nesse episódio, mas é importante falar a respeito porque, quando comparada à Saga Cell, a relação deles dois era conflituosa, altamente discordante.

A segunda parte foi o elogiadíssimo “Canhão Galick” que eles fizeram conjuntamente para deter o ataque do Supremo Zamasu, a cena obviamente remetendo ao “Kame Hame Ha” que Gohan fez contra o Cell Perfeito, tendo sido reforçado por Goku em espírito.

Canhão Galick

Por fim, a terceira parte desse momento não foi assim tão comentado, o que é estranho por fazer referência a um dos momentos mais icônicos de Dragon Ball Z. Vegeta pula na frente do “Raio da Absolvição” que atingiria Trunks, protegendo-o e ficando todo ferrado,  de forma muito semelhante ao sacrifício que Piccolo fez para proteger Gohan ainda na Saga dos Sayajins.

Vegeta e Piccolo se sacrificam

Gohan destreinado e Trunks Super Meio-Sayajin Azul

Outro ponto que tem sido muito discutido é o quão Gohan ficou fraco, destreinado e praticamente deixou as lutas de lado para investir no seu sonho de ser um grande pesquisador acadêmico, também tendo constituído família e se centrado nela. Por um lado, isso irritou muito os fãs do personagem, enquanto que, por outro, os mesmos se viram cheios de esperança após todo mundo ser devidamente esclarecido sobre os últimos acontecimentos (episódio 62), Gohan ficando visivelmente decepcionado consigo mesmo por não ter continuado os treinamentos e por sequer ter se preocupado em procurar saber o motivo do Trunks “do futuro” estar ali, no “presente”.

Acontece que há uma explicação até que bastante plausível para isso, a mesma se relacionando a outro ponto que tem sido questionado: Afinal de contas, o que diabos é essa nova transformação alcançada pelo Trunks “do futuro”?

Basicamente, a resposta para ambos os questionamentos passa pelo fato de que Gohan e Trunks são mestiços de homem e sayajin, podendo ser tratados, ainda, como “sayajins impuros”. O que isso tem a ver? Da mesma forma como eles herdaram características sayajin, como a cauda de macaco, no caso do Gohan, e a capacidade de se transformar em super sayajin, eles também herdaram características de homem, como a maior facilidade de acessar certas emoções, o que os torna muito poderosos e é o ponto chave para a obtenção da transformação em super sayajin.

Gohan

Porém, outra característica que eles possivelmente herdaram dos homens é o limite de poder. Quer dizer, os sayajins puros como Vegeta e Goku aparentemente podem elevar o seu poder até o infinito ou, talvez, até alcançar Zeno-Sama, mas os mestiços não conseguiriam tanto e teriam algum limite. Isso explica tanto porque o Gohan se permitiu ficar mais despreocupado em relação a treinamento quanto a transformação do Trunks.

Após o treinamento recebido dos Kaioshins na Saga Boo, Gohan teria liberado todo o seu poder oculto e atingido o seu limite, provavelmente não podendo transcendê-lo ou não podendo aumentar mais grande coisa, estando aí explicado o porquê de ele não precisar sequer se transformar em super sayajin: Não há a menor necessidade, pois ele já teria atingido o máximo de poder que poderia alcançar.

Assim, ao descobrir que possui um limite ou que não poderia evoluir mais além, Gohan simplesmente ficou sem ter o porquê continuar treinando, podendo, então, se focar na realização do seu sonho. “Ah, mas e o Trunks?”

O limite de poder do Trunks pode ser muito maior que o do Gohan2, o que explicaria ele poder assumir uma transformação que é uma coisa mista ou intermediária de super sayajin e super sayajin azul: O Super Meio-Sayajin Azul ou Semi Super Sayajin Azul ou Super Sayajin Semi-Azul.

Trunks Super Sayajin Semi-Azul

Pode ser que o Gohan atinja tal transformação? Sim, é possível, mas acho mais provável que o Goten ou mesmo a Pan consigam.

Vegeta superou Goku?

Essa é outra grande discussão da série, os episódios 63 e 64 tendo deixado a entender que sim, que após ficar um dia na Sala do Tempo do Templo de Kami-Sama, Vegeta teria superado Goku a ponto de conseguir surrar o Goku de preto com tranquilidade.

Porém, o episódio 65 jogou um balde de água fria nos fãs do Príncipe dos Sayajins (eu incluso), pois encerra com o Goku fazendo sozinho uma disputa de energia do seu “Kame Hame Ha” contra o “Cólera Sagrada” do Supremo Zamasu e, eis o balde de água fria, invertendo o jogo ao começar a ganhar a disputa, o “Kame Hame Ha” passando a empurrar o “Cólera Sagrada”.

Goku vs Supremo Zamasu

1 – O “Cólera Sagrada” e o “Kame Hame Ha” se chocam; 2 – O Supremo Zamasu aumenta a potência do seu golpe; 3 – O golpe do tinhoso verde encontra-se em vantagem, mas… 4 – …O “Kame Hame Ha” começa a empurrar o “Cólera Sagrada”.

Assim, caso se confirme no próximo episódio que o Goku conseguiu, sozinho, rebater o ataque do Supremo Zamasu, então é possível deduzir que Vegeta ficou muito mais forte sim, mas não a ponto de superar o Goku – e, sim, eu sei que o Vegeta estava muito desgastado, mas o Goku também se encontra muito desgastado (e ainda com o curativo daquela perfuração que o Goku de preto fez nele).

Por último, mas não menos importante…

…Temos o suspense a respeito do que diabos irá acontecer com a Maki, a menina que se desgarrou do grupo de sobreviventes para ir em direção à espada quebrada do Trunks.

Maki e a espada

Bem, a partir de uma imagem que vi num grupo de Facebook, é possível deduzir que algo ruim acontecerá à menina, que ela poderá ser morta pelo Supremo Zamasu enquanto tenta dar a espada para o Trunks e que este, ainda mais enfurecido, desenvolverá uma espada de ki a partir da espada quebrada 3 e enfrentará o tinhoso verde por tempo suficiente para permitir que Vegeta e Goku se fundam utilizando os brincos do kaioshin do seu próprio universo.

Aliás, será que para a fusão potara acontecer é necessário que os seres utilizem os brincos oriundos do seu próprio universo? Será que a utilização de brincos de um universo diferente do seu resultaria numa fusão estranha ou com efeitos colaterais ou mesmo não resultaria em fusão alguma?

Ah, aproveitando o papo sobre brincos potara, eu sou daqueles que acredita que o Zamasu Bestial visto na prévia do episódio 66 4 se dará por conta de algum efeito colateral resultante ou da destruição do halo ou porque o brinco potara outrora portado pelo Goku de preto foi danificado pelo tiro da Mai – isso porque o lado bestial do Supremo Zamasu corresponde ao lado em que o Goku de preto estava no momento da fusão, isto é, o direito.

Para encerrar, agora é possível assistir Dragon Ball Super de maneira oficial, o episódio saindo cerca de uma hora depois de ser exibido no Japão e com legendas em português. Para isso, basta se registrar no Crunchyroll, que te dá 14 dias grátis. 


NOTAS

1 Pronuncia-se [a.lo] ou [a.lu] e não [ra.lo] ou [ra.lu], estas duas últimas pronúncias correspondem à palavra “ralo”. Na língua portuguesa, a letra “h” não possui som, diferentemente da língua inglesa, na qual o “h” é pronunciado como o nosso “r” em começo de palavra e o nosso “rr”. Por isso, a palavra cognata inglesa da nossa “halo”, que se escreve da mesma maneira, tem o “h” pronunciado como “rr”.

2 Talvez porque o Trunks foi concebido por um Vegeta consideravelmente poderoso (talvez quando já era capaz de se transformar em super sayajin), enquanto o Gohan o foi por um Goku cujo poder de luta não chegava nem a mil.

3 Isso me lembrou o Kuwabara (Yu Yu Hakushu) desenvolvendo a sua espada de energia gradativamente, necessitando primeiramente de algo físico para poder projetar uma espada rudimentar, a qual posteriormente se desenvolveu ao ponto de ele poder projetá-la sem qualquer suporte físico.

4 Considerando que para o consagrado número da besta só falta um 6, a aparição do Supremo Zamasu bestial exatamente nesse episódio deve ter sido proposital, algo calculado para funcionar como referência.


REFERÊNCIA

Mark O’Connell; Raje Airey. Almanaque ilustrado símbolos (The Complete Encyclopedia of Signs & Symbols). Editora Escala, 2010: São Paulo. Páginas consultadas: 209 (Ankh), 211 (Auréola), 220-221 (Círculo), 226 (Cruz, celta), 263 (Suástica).

One comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *