Torneio do Poder: comentários sobre os episódio 77, 78 e 79 de Dragon Ball Super

Como não tive tempo para fazer a análise dos episódios 77 de Dragon Ball Super, o qual efetivamente iniciou o novo arco da série, Torneio do Poder, nem do 78, resolvi juntar minhas impressões acerca de ambos às do episódio 79. Além do resumo de cada um dos três episódios, também falarei do Goku ser inconsequente, das duas versões do Zen-Oh, da relação entre o Majin Boo e o Mr. Satan e outras coisas.

 

 

Resumo do episódio 77

 

O episódio começa mostrando os dois Zeno ou Zen-Oh brincando com uma espécie de jogo de tabuleiro cósmico, o qual, no fim da cena, ficamos sabendo que se trata de uma espécie de representação de mundos que realmente existem – e descobrimos isso quando é mostrado o choque entre dois planetas reais. Basicamente, o jogo, do qual eles acabam se entediando, consistia da destruição de planetas, que realmente existiam.

Em seguida, temos Goku vendendo a sua colheita para um comerciante da feira e retornando para casa, num modelo novo de carro da Corporação Cápsula, quando sofre uma tentativa de assalto. Obviamente, Goku derrota os assaltantes, mas consegue ser atingido por uma bala e fica com um ferimento leve, uns arranhões. Devido a isso, ele conclui que só se machucou porque está sem treinar.

 

 

Goku, então, fala com Whis e combina um treinamento, fugindo de Chichi na companhia de Goten e se dirigindo para a Corporação Cápsula, onde ele se reencontra com Bulma após longo tempo. Finalmente, é mostrado que Bulma está grávida, mas é dito que nem ela, nem Vegeta ou Trunks sabem o sexo do bebê. Também é mostrado o Vegeta se recusando a ir treinar com Goku e Whis por querer acompanhar todos os momentos da gravidez de sua esposa, o nascimento do seu segundo filho e primeiros momentos dele.

Tanto Goku, quanto Whis não entendem Vegeta, já que é Bulma quem está grávida e não ele, e, enquanto Goten fica na Corporação Cápsula para treinar com Trunks, ambos seguem para o planeta de Beerus. Lá, o deus da destruição do universo 7 nota o ferimento em Goku e o treinamento começa, mas, aparentemente, não demora muito e Goku se lembra do torneio prometido por Zen-Oh, querendo porque querendo ir cobrar a realização do mesmo ao Rei de Tudo.

Mesmo após Whis e Beerus tentarem convencê-lo do contrário (inclusive com a ameaça de destruição pelas mãos de Beerus), Goku consegue ludibriar o deus da destruição e usa o botão para se transportar à presença de Zen-Oh, pedindo a ele que organize o torneio prometido. Assim é feito e, no mesmo episódio, as regras do torneio entre os doze universo são estabelecidas e o Sumo-Sacerdote dirige-se pessoalmente ao planeta dos supremos senhores Kaio do universo 7 (e, pelo que fica implícito, fez o mesmo em todos os universos) para apresentá-las.

 

Resumo do episódio 78

 

O episódio 78 começa com a apresentação das regras. O torneiro acontecerá no Reino do Nada, onde cada universo será representado por dez lutadores, que se enfrentarão numa arena até que o Zen-Oh e sua versão alternativa estejam satisfeitos ou que um dos dois não esteja mais em condições de lutar – o que implica , também, em lutas até a morte. Os melhores lutadores receberão, cada um, uma das super esferas do dragão como prêmio, mas o universo vencedor ganhará apenas o direito de continuar existindo, já que os perdedores serão destruídos por Zen-Oh, conforme o Sumo-Sacerdote confidenciou a Goku, Beerus, Whis, Shin, Kibito e o velho Kaio.

 
Apresentação das regras do torneio

Apresentação das regras do torneio pelo Sumo-Sacerdote.

 

Antes do torneio principal, porém, haverá um torneio de exibição entre os universo 7 e 9, cada um sendo representado por três lutadores. Goku ficou encarregado de recrutar, na Terra, outros dois lutadores para tal competição e recruta Gohan – confidenciando-lhe toda a situação e sendo chamado de irresponsável por ele – e Majin Boo, levando o Mr. Satan a tiracolo.

Assim, o torneio de exibição tem início com a luta entre Majin Boo e Basil, do universo 9, o primeiro levando vários golpes e indo ao chão. O episódio, então, encerra com o caído Boo sorrindo.

 

Resumo do episódio 79

 

O episódio começa com Majin Boo sorrindo e demonstrando que ele está se divertindo muito com todas aquelas porradas desferidas pelo Basil, que ele está encarando tudo como um jogo e não como uma luta séria. Numa tentativa de fazer com que o gordo róseo luta a sério, Goku diz para Basil ir com tudo e ele o faz, revelando suas reais capacidades e conseguindo abrir um rombo na barriga de Boo.

 

Majin Boo demonstrando estar se divertindo muito.

 

Porém, como toda a destruição causada por Basil na arena acabou afetando também o Mr. Satan, Boo se enfurece e resolve lutar para valer, mandando o seu oponente para fora do espaço de luta. Goku, então, declara Boo como vencedor, mas o Sumo-Sacerdote esclarece que só seria assim pelas regras do universo 7 e que, nesse torneio de exibição (e Torneio do Poder), a luta só termina quando um dos lutadores não conseguir mais lutar ou quando os Zen-Oh se aborrecerem.

 

Majin Boo se enfurece após Satan ficar ferido.

 

Assim, a luta é retomada e Basil pede para o supremo kaioshin do universo 9 dar a ele uma espécie de pílula de comida (algo comum em Naruto), que, como ficamos sabendo, amplifica o poder dele.

 

Eis a pílula de comida que o supremo kaioshin do universo 9 dá para Basil. A propósito, embora eventualmente nasçam membros malignos da raça shinjin, eu acredito que não seja o caso deste kaioshin. Penso que ele seja apenas ganancioso mesmo, para combinar com o seu respectivo deus da destruição, que tem aparência de anão da Terra Média.

 

Porém, após um breve e destruidora vantagem, Basil não consegue vencer Majin Boo, que afirma ser mais forte e lança um Kame Hame Ha contra o adversário, que permanece de pé, mas, tendo chegado ao seu limite, tomba. Satan é curado por Boo e o episódio termina com Gohan e o seu adversário se preparando para lutar.

 

Goku, o agricultor “frágil”

 

Muita gente achou incoerente o ultra poderoso Goku levar um tiro e ficar com um ferimento, principalmente porque, lá em Dragon Ball, o jovem Goku, que era mais fraco que o Mestre Kame, levou vários tiros da Bulma e nada aconteceu com ele, quer dizer, o que teria acontecido com a pele à prova de balas dele?

 

 

Então, a coisa não é assim tão incoerente quanto pode parecer. Primeiro que, dos tiros efetuados por Bulma, realmente ao menos um atingiu o braço dele e não deixou marcas, mas outro tiro que o Goku criança recebeu dela foi na cabeça, não dando para saber se ficou algum ferimento tal como no braço do Goku agricultor – ainda que a expressão de dor dele e o fato de ele levar as mãos à cabeça demonstrem que alguma marca deve ter ficado.

Segundo que, por mais poderoso que o Goku seja, ele não é indestrutível e o seu poder não o deixa invulnerável e, tanto é assim, que no arco passado de Dragon Ball Super, aventou-se a possibilidade de se matar o Zamasu que estava em um corpo de Goku com um disparo de uma bala especial desenvolvida pela Bulma.

“Ah, mas a bala era especial!” Verdade, mas porque tinha como objetivo matar o Goku de preto, o que significa que balas normais, no máximo, o feririam de leve, tal como aconteceu no episódio 78.

 

Bra e Vegeta

 

Finalmente, Bulma foi apresentada grávida da Bra e pudemos confirmar de uma vez por todas que Vegeta não é mais aquele guerreiro sanguinário e frio, sendo um paizão de família e se mostrando todo preocupado e ansioso com a  segunda gravidez de sua esposa, principalmente porque, durante a primeira, não acompanhou como deveria.

 

É um exagero da parte da Bulma andar pelo interior da Corporação Cápsula num veículo desses, porém, isso é necessário para o episódio, de modo que a imagem dela grávida seja uma grande surpresa tanto para Goku e Goten, quanto para o público.

 

Isso é muito bom porque mostra toda a evolução do Vegeta e é exatamente essa mudança ao longo do tempo que faz dele um excelente personagem, capaz de arrebanhar uma legião de fãs. Goku, por outro lado, não apresenta essa mesma evolução, mas isso é justificável se vermos que ele se mantém como um típico sayajin de classe baixa idealizado por Akira Toriyama, com a mente inteiramente voltada para o combate.

 

Goku, o inconsequente

 

A grande polêmica da vez é como o Goku está se comportando como um verdadeiro inconsequente (sendo que ele sempre foi assim) e alguém que não está nem aí se incontáveis vidas serão perdidas por conta do torneio que só acontecerá porque ele deseja lutar contra sujeitos mais fortes e Zen-Oh (bem como sua versão alternativa) encontra-se entediado.

Bem, o Goku sempre foi assim. Os sayajins, em geral, foram idealizados assim. O Kakarotto nunca foi um herói, alguém que procura sempre fazer o certo e salvar vidas. Isso, aliás, é muito mais pertencente à mentalidade ocidental e Dragon Ball é de origem oriental, onde os protagonistas nem sempre estão motivados por tais princípios.

Na verdade, Goku está muito mais para um anti-herói do que para um herói, o que Akira Toriyama disse, em entrevista à revista Wired em 1997, confirmando isso:

 

Wired: There’s actually “poison” inside?

Toriyama: Right. There’s how, basically, Son Goku from Dragon Ball doesn’t fight for the sake of others, but because he wants fight against strongs guys. So once Dragon Ball animated, at any rate, I’ve always been dissatisfied with the “righteous hero”-type portrayal they gave him. I guess I couldn’t quite get them to grasp the elements of “poison” that slip in and out of sight among the shadows.

 

Tradução:

 

Wired: Há realmente/atualmente “veneno” dentro?

Toriyama: Certo. Há, como, basicamente, o Son Goku de Dragon Ball, que não luta pelo bem dos outros, mas porque ele quer lutar contra caras fortes. Então, uma vez que Dragon Ball virou anime,  de qualquer maneira, eu sempre estive insatisfeito com o retrato de “herói justo” que deram a ele. Eu acho que eu não poderia levá-los a compreender totalmente os elementos do “veneno” que escorriam para dentro e para fora de vista entre as sombras.

 

Pois bem, Goku não é um herói justo, não é nem mesmo um herói, mas também não é um vilão. Ele não passa de alguém extremamente poderosos, cujos interesses pessoais (ser mais forte e enfrentar sujeitos poderosos) eventualmente convergem com a necessidade de salvar a todos.

 
Sete melhores do torneio do poder

Os sete melhores lutadores do torneio receberão, cada um, uma super esfera do dragão. Com isso, já temos a forma pela qual toda a situação será resolvida. E você aí, achando que essa imagem era meramente ilustrativa…

 

Por fim, penso que o público pode ficar sossegado, pois Goku não será tratado como vilão por conta da destruição dos universos perdedores. Será responsabilizado, claro, mas a solução para toda essa situação escrotíssima, creio eu, já tenha sido anunciada juntamente com a apresentação das regras da competição pelo Sumo-Sacerdote: como os melhores lutadores do torneio receberão, cada um, um das esferas do desejo, poderão, então, pedir a restauração de todos os universos destruídos.

 

O Rei de Tudo e sua versão alternativa

 

Um coisa que me chamou bastante a atenção ao ver as duas versões do Zen-Oh é que, enquanto o Zen-Oh nativo dessa linha espaço-temporal (doravante denominado Zen-Oh 1) sempre levanta o direito, a versão oriunda do futuro de outra linha espaço-temporal (doravante denominado Zen-Oh 2) sempre levanta o braço esquerdo e, ao ver que o amigo levantou o outro braço, se “corrige.”

 

Zen-Oh 2, à esquerda de quem vê e levantando a mão esquerda, enquanto Zen-Oh 1 levanta a direita.

 

A meu ver, isso demonstra que o Zen-Oh 2 está procurando se sentir em casa e evitar ser visto como uma espécie de espelho do Zen-Oh 1 (porque, ao levantar o braço contrário, é como se ele fosse o reflexo do outro), ficando mais parecido com ele ou mesmo idêntico.

Porém, isso também demonstra que os dois não são exatamente iguais, da mesma forma que as duas versões do Zamasu também não o eram, sendo uma prova disso os desejos diferentes que foram feitos ao Zarama. E isso pode tanto nos trazer um problema, quanto uma solução, pois pode ser que o Zen-Oh 2:

  1. Tente destronar o Zen-Oh 1 e isso acarrete em alguma grande consequência para todos os universos (acho pouco provável), como a sua fusão num só universo ou destruição de todos;
  2. Ou que, achando que os universos derrotados no torneio não devam ser destruídos (talvez após ser convencido por alguém), se oponha ao Zen-Oh 1 e o destrua antes que ele possa dizer “paralelepípedo” – ou seja destruído.
 

Majin Boo, Mr. Satan e Basil

 

Antes de tudo, o fato de o Majin Boo ter que enfrentar o Basil, membro de uma espécie aparentemente relacionada a canídeos, é um referência àquele cachorro com o qual ele fez amizade lá em Dragon Ball Z. Ele ter dito que o Basil parece um cachorro também não me parece ter sido algo à toa, apenas para desmerecer o adversário, mas sim é uma confirmação dessa referência.

 

Sim, por enquanto, eu ainda prefiro assistir com legendas em espanhol.

 

Agora, o interessante mesmo é que nesse episódio ficou ainda mais evidenciada a relação um tanto quanto homoerótica (o termo se justifica porque, muito provavelmente, não rola sexo de nenhuma natureza, meio que como num casamento) entre Majin Boo e Mr. Satan, onde eles formam um casal quase perfeito.

Isso porque é estranho que, como o herói da Terra, Mr. Satan não tenha arranjado outra esposa (não posso afirmar nada quanto a sexo casual), mas, vendo a relação dele com o Majin Boo, vemos que não haveria essa necessidade.

 

“Sim, me elogia mais!”

 

Porém, muito embora não se deva descartar totalmente a possibilidade de que haja aí uma relação homoerótica bem suavizada (lembrando que a franquia já apresentou pelo menos um personagem homossexual, o General Blue), creio eu que, como Dragon Ball se trata de um shonen, a relação entre eles deva ser identificada como um típico caso de amizade entre um cara fortão e desmiolado (Majin Boo) e um cara fraquinho que atua como a sua consciência (Mr. Satan).

 

Por fim…

 

…Um personagem que vem dando muito o que falar é o que aparece todo encapuzado na companhia do deus da destruição com cara de palhaço e sua anja com cara de Harley Quinn.

 

O encapuzado Toppo na bancada do universo 11, onde também estão o supremo kaioshin, a anja com aparência de Harley Quinn e o deus da destruição Vermoudh.

 

A princípio, as especulações acerca de sua identidade giravam em torno do sujeito que aparece batalhando contra Goku na nova abertura, o que tem a aparência de alienígena bombadão e está vestido da mesma forma que o árbitro do torneio entre os universos 6 e 7, porém, a verdade é que os dois não são a mesma pessoa, como ficou bem claro no episódio 79.

 

Toppo, após dissipar a energia que atingiria a bancada do universo 11 no torneio de exibição.

Sabemos, agora, que o personagem encapuzado chama-se Toppo e é consideravelmente poderoso, tendo chamado a atenção dos presentes – especialmente a de Champa, mas não sabemos mais nada a seu respeito. Bem, a julgar pelo deus da destruição e o anjo do universo 11, será que Toppo é o Batman?

 
 
 
 
 

REFERÊNCIAS

 

Akira Toriyama interview. In: WIRED Japan. 1997. n. 1. Issue 3.01. Disponível em: [http://www.kanzenshuu.com/translations/wired-japan-1997-akira-toriyama-interview/]. Acesso em: 20 Fev 2017.

KAMI Sama Explorer, canal. Nomes e universos de todos os 12 deuses da destruição. Publicado em: 18 Fev 2017. Disponível em: [https://www.youtube.com/watch?v=XrX-Cv8rElc]. Acesso em: 20 Fev 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *